ALERTA AOS PAIS

(O texto não é meu, recebi em um grupo de mães e considerei importante compartilhar)
“Alguns meses atras fui fotografar uma festa de aniversario infantil e algo me deixou muito chocada. Havia uma menininha linda, pulando na cama elástica de vestido na maior inocência do mundo (obvio, era uma criança), ao pular, aparecia parte da lingerie e quando ela caia sentada, aparecia muito mais, de repente, ao olhar para o lado, vi um homem que não tirava os olhos da menininha, era um olhar diferente que me arrepiou. alertaAquilo começou a me incomodar, cheguei nele e perguntei se ele era o pai da criança (eu já sabia que não), mas perguntei como uma forma de intimida-lo, Perguntei assim: To vendo que o senhor não tira os olhos dela, ela é sua filha? Ele respondeu rispidamente que não e saiu. Chamei a menininha e disse assim: Me leve até a sua mamãe, vamos tirar uma foto lá com ela (despistei), ela desceu da cama elástica e me levou ate a mãe dela. Chegando na mãe dela puxei um assunto que não me lembro qual até que resolvi falar, apesar do medo enorme daquilo dar uma confusão e acabar com a festinha, eu falei. A mãe assim como eu ficou chocada e me pediu que mostrasse quem era o homem, rodamos a festa inteira e não o encontramos mais.
Mamães, isso é muitooooo sério e tem acontecido com mais frequência do que podemos imaginar, os pedófilos estão no meio de pessoas de bem. Vamos proteger nossas crianças evitado situações como essa. Esta super na moda as mamães contratarem cama elástica e piscina de bolinha para as festas e toda criança normal vai querer se divertir, então evite colocar saias e vestidos em suas filhas, por mais lindas que elas ficarão, ou se forem colocar, coloquem um shortinho por baixo! permita que elas brinquem a vontade e com SEGURANÇA ! Fica aqui o meu alerta aos pais…”

Anúncios

O QUE VOCÊ PRECISA SABER ANTES DE ADOTAR UMA CRIANÇA

Para casais que enfrentam a infertilidade, a adoção pode ser uma solução ou uma pressão a mais… tudo vai depender de suas escolhas. Para quem já tem filhos ou para quem sempre teve em mente a vontade de adotar, é importante conhecer o processo e entender os caminhos da adoção no Brasil. O Dr. Carlo Crivellaro, Pediatra com Título de Especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria, Membro da Sociedade Brasileira de Pediatria e Membro da Highway to Health International Healthcare Community, nos falou um pouco sobre o que é importante sabermos antes de optar pela adoção.

403-adocao“Adotar uma criança é uma decisão que deve ser bem pensada e planejada. É preciso ter em mente que esta escolha é permanente, e que não deve haver nenhuma dúvida sobre a aceitação da criança, independentemente se o casal não pode ter filhos ou se já tem outros filhos.
É sempre possível que haja preconceito e/ou julgamento por parte da família e de amigos, ainda mais se o casal tiver condições fisiológicas de gerar seus próprios filhos. Mas a opção de adotar é única e exclusivamente do casal, e ninguém tem o direito de interferir nesta decisão. Até porque a adoção é um grande gesto de amor, se pensarmos quantas crianças foram abandonadas e merecem um lar!
A adoção foi efetivada! E agora?
A criança deve ser avaliada rotineiramente pelo pediatra. Nos casos em que não haja informações concretas sobre o pré-natal, alguns exames especiais deverão ser realizados. Dependendo da faixa de idade, o vínculo entre a criança e os pais pode demorar um pouco. Tente não comparar seu filho a outras crianças da mesma idade. É possível que ele tenha recebido menos estímulos e esteja se desenvolvendo mais devagar, mas nada que não possa ser recuperado. Converse com o pediatra para ver se há real motivo de preocupação.
Também não espere sentir um amor imediato, ou se sentir mãe/pai desde o primeiro instante. E a recíproca é verdadeira: não pense que a criança vai chegar dando beijos e sorrisos. Tanto para o casal como para a criança, é um cenário cheio de sentimentos contraditórios: felicidade, receio, ansiedade. Afinal, vocês são pessoas diferentes, e precisam de tempo para se conhecerem, mesmo em se tratando de um recém-nascido.
Fique o máximo de tempo que puder com seu filho. Pelo menos nas primeiras semanas, os pais devem ser os principais responsáveis pelos cuidados com a criança. Por mais que todo mundo queira receber o novo integrante da família, limite o número de visitas nos primeiros dias. É importante que a criança se ambiente primeiro com seus pais (e seu novo lar) para depois conhecer, aos poucos, o restante da família.
Já comece a criar rotinas para seu filho. Isso é fundamental para qualquer criança, mas para quem já passou por tantas mudanças inesperadas, o planejamento de uma rotina trará mais conforto e segurança.
Momentos ruins também poderão acontecer…
É compreensível que uma mãe adotiva duvide de seu instinto materno, principalmente se a criança já for maior. Isso pode ocorrer pelo fato de a mãe não ter vivenciado as etapas do recém-nascido. Ou o casal pode ter receio de que, quando crescer, o filho sinta vontade de procurar os pais biológicos, o que é natural, mesmo que ele seja amado e feliz com sua família adotiva. Sem contar com as incertezas em relação aos aspectos legais do processo de adoção.
Todas essas dúvidas são normais. Com o tempo, tanto a criança como os pais sentirão mais proximidade, intimidade e segurança. Uma boa dica é conversar com outros pais adotivos. Isso trará mais calma, pois vocês perceberão que determinadas situações são comuns em famílias cujos filhos são adotados.
Quando e como devo contar ao meu filho que ele é adotado?
Verdade e transparência são regras fundamentais quando se adota uma criança. A faixa de idade em que começam as perguntas ou dúvidas é no período pré-escolar (2 a 7 anos). O ideal é não demorar muito para contar e, quando for a hora, a conversa precisa ser em um momento tranquilo e da maneira mais simples possível, para que a criança não sinta tristeza ou qualquer outro tipo de sentimento ruim.
Explique que o fato de ser adotada não muda os sentimentos que os pais têm por ela. Mostre outros casos de adoção, incluindo aqueles que vocês conheceram. Apresente seu filho à família que também fez a adoção. Seria importante que ele conversasse com outras crianças adotadas e percebesse que a adoção foi um enorme ato de amor dos seus pais.
Obviamente que ela também terá curiosidade para saber qual a razão de seus pais biológicos terem a “abandonado”. Para que não seja algo traumático, o ideal é dizer que eles não tinham recursos para criar um filho, e justamente por o amarem tanto, preferiram doá-lo a uma família que pudesse dar as boas condições de vida que os pais biológicos jamais poderiam.
A verdade é que a adoção acaba assombrando os pais adotivos, que vivem com medo de serem rejeitados e até abandonados quando a verdade vem à tona. Normalmente, depois que a adoção é revelada, a família toda passa por um período necessário de acomodação das emoções.
A boa notícia é que, passada essa fase, os laços familiares se fortalecem, e a relação ganha mais amizade, amor e confiança. E a opinião de terapeutas, psicólogos e especialistas no assunto é praticamente unânime: a criança tem o direito de conhecer a história de sua vida, o mais cedo possível, de forma verdadeira e natural!”

ORGANIZAÇÃO

Imagine a quantidade de miudezas que 4 crianças pequenas acumulam… pra que não fique tudo jogado e perdido pelos quatro cantos da casa, me organizei usando caixas, potes de sorvete, acessórios de quando eram bebês, potinhos plásticos e até pastinhas.
– Frufrus, pulseiras, fivelas e elastiquinhos: uso bolsinhas plásticas e caixinhas organizadoras. Potinhos pequenis e aquelas embalagens de hastes flexíveis redondinhas também são ótimas.
organização– Pecinhas de quebra-cabeça, carrinhos, trenzinhos e bonequinhos: uso potinhos transparentes da cozinha, aproveito os que dão uma quebradinha ou estão mais velhinhos. Potes de sorvete são ótimos e procuro colar neles uma imagem do brinquedo que está dentro. Pastinhas plásticas são ideais para quebra-cabeças de peças maiores.
– Brinquedinhis de Kinder Ovo, enfeitinhos de bonecas (coroas, pulseiras, sapatinhos) e comidinhas: aproveitei o armazenador de leite em pó para as miudezas das bonecas. Tudo que é miniatura vai pro pote do Kinder e potes grandes plásticos organizam as comidinhas de plástico. – Panelinhas, legos, bonecas, fantasias (oculos, coroas, máscaras, bolsinhas, tiaras), brinquedos eletrônicos: coloco tudo em caixonas plásticas para empilhar e não ocupar espaço. Nas caixas escuras coloco aquilo que mais dá trabalho como brinquedos eletrônicos barulhentos e fantasias… o que a criança não vê ela não pede, rsrsrs.
Meu sistema agora é pegar um brinquedo por vez. Quer brincar de outra coisa, guarda o que estava usando. Melhorou muito a bagunça da casa e eles aprenderam a guardar tudo no devido lugar.

ESCOLHAS

Muitas pessoas me parabenizam e tecem comentários admirados sobre como consigo dar conta de 4 crianças pequenas sem ter empregada, babá, com 46 anos nas costas e ainda ter tempo pra administrar o blog, fazer academia, cuidar da casa, escrever livro… pensei a respeito e a melhor resposta que tenho é: “São escolhas!”
400-escolhasFiz a escolha de ter filhos mais tarde e ao saber da nossa infertilidade, escolhemos tentar ao invés de desistir. Quando engravidei e passei por todas as dificuldades de uma bolsa rota com 25 semanas, aguentei 2 meses na cama do hospital pois escolhi salvar minha bebê a qualquer custo! Me preparei por anos para ser mãe e na UTI Neo escolhi ouvir, prestar atenção e seguir as orientações de enfermeiras e médicos nos cuidados com a Larissa. Escolhi me dedicar a maternidade tanto esperada ao invés de voltar ao trabalho. Eu e meu marido escolhemos deixar a Lari dormir sempre em seu berço, privá-la de visitas por um tempo devido a sua prematuridade, deixamos nossa vida social restrita para curtir e estar com ela em todos os momentos.
Escolhemos logo dar a ela um irmão e quando soubemos que tínhamos 4 embriões saudáveis, escolhemos seguir a orientação médica implantando somente 2 e deixando os outros congelados, caso não engravidasse. Quando descobrimos que teríamos trigêmeos, escolhemos amá-los e não nos desesperar, planejando nossas vidas a cada 3 meses. Escolhi não ter muitos braços ajudando nos cuidados com as crianças, mesmo porque muita gente acaba atrapalhando e precisávamos de uma “linha de produção” eficiente e coesa!
Escolhi abrir mão de muitas coisas que gostava pois o tempo era curto para tantas tarefas com eles. Deixei de ler, assistir novelas e séries, assistir filmes, viajar, visitar amigos e parentes… Escolhi me afastar e a não dar ouvidos a quem nos chamava de loucos, me dizia que seria difícil, tentava impôr o lado negativo da nossa situação.
Escolhas não são sempre fáceis, mas são necessárias! Quando fiquei sem empregada, escolhi cuidar da casa com a ajuda de uma diarista somente. Escolhi deixar as crianças na escola por um maior período para que eu pudesse ajeitar a casa, lavar roupas, cozinhar, fazer supermercado, etc. Escolhi aguardar um pouco mais para voltar ao trabalho, mesmo porque com 4 pequenos, preciso de uma atividade flexível, pois vira e mexe alguém fica doente e não tenho com quem deixá-los. Escolhi cuidar de mim, mudar alimentação, fazer exercícios, aumentar minha auto-estima, garantir minha saúde para poder cuidar melhor da minha família.
Escolhi planejar, me organizar, ter uma rotina que aos olhos dos outros às vezes parece exagero, mas com 4 filhos, algumas medidas são necessárias para que a gente não enlouqueça e perca o controle da situação! Escolhemos dar disciplina aos nossos filhos, oferecer alimentos saudáveis, eliminamos das nossas vidas refrigerantes, avaliamos melhor os brinquedos para evitar acidentes, abrimos mão de uma casa decorada e arrumadinha para dar a eles um espaço para brincar. Escolhemos não viajar para onde nossos filhos não possam ir e nos separamos em algumas celebrações pois nem sempre é adequado ou prático levar as crianças.
Escolhi dividir nossas experiências com você pois sempre tem alguém como eu, que precisa de idéias, dicas e uma luz no fim do túnel às vezes!

MENINOS…

Eu sempre dizia que os meus meninos eram uns amores, que não davam trabalho e que as meninas eram terríveis! Paguei a língua… 😕
De uns tempos pra cá estes molequinhos têm aprontado cada uma que me deixam de cabelos em pé!
meninosAdoram provocar as meninas, vivem rolando no chão brincando de luta, saem correndo pela garagem do prédio passando as mãos nos pneus dos carros e puxando os carrinhos de compras, escalam as grades da portaria e ficam tocando a campainha do vizinho…
Agora o Lipe aprendeu a abrir o portão que separa a cozinha e lavanderia do resto da casa… abrem armários, vão ao banheirinho e abrem torneira, pegam vassouras. Minha atenção passou a ser triplicada e nem no banheiro vou mais sossegada…
Hoje em questão de segundos ouvi uns risos e a Lari me chamou: “Mamãe, corre ver o que os meninos fizeram…” Já vou pisando duro e contando até 10 pro pior… aí não sei se choro ou dou risada! Jogaram os encostos do sofá e as almofadas dentro do box todo molhado e estavam deitados em cima se matando de rir… dei bronca, coloquei de castigo e meia hora depois pego o Lelê em cima da pia do banheiro olhando pelo vitrô.
Haja coração… 😨

VOCÊ SABE O QUE É SINOVITE TRANSITÓRIA DE QUADRIL?

Ontem o Filipe chegou da escola mancando um pouco. Achamos que tinha dado algum mal jeito na cadeira do carro e como não era muito, aguardei. Hoje pela manhã ele acordou chorando e não conseguia esticar a perna esquerda nem andar. A primeira coisa que me veio a cabeça foi correr com ele ao Pronto Socorro, mas meu marido lembrou de ligar para a pediatra antes e checar com ela o que fazer.
Ela me pediu para ter calma e me perguntou: “ele teve algum quadro de gripe e febre estes últimos dias?” Sim, o Lipe estava resfriado e teve febre de 37,8° nas duas últimas noites. Diagnóstico mais provável: Sinovite de Quadril.
397-sinoviteMe lembrei que há um ano atrás mais ou menos, o Alexandre teve o mesmo problema. Assim, como desta vez, a orientação foi ministrar antiinflamatório de 6 em 6 horas e mantê-lo em casa quietinho hoje e amanhã. Caso não melhore, aí sim acioná-la. Com o Lelê, em 24 horas ele estava melhor, espero que com o Lipe seja a mesma coisa!
Para uma melhor explicação, busquei uma fonte médica e encontrei este texto no site www.pediatrio.blogspot.com.br.
“Uma criança de dois anos teve uma febre de 37,8ºC e sintomas de resfriado. Após dois dias, acordou e não conseguia andar. Não conseguia apoiar a perna direita no chão, chorando de dor. Ela tinha uma sinovite transitória.
Mas, afinal, o que é a sinovite transitória? Para entender, é necessário saber o que é a sinóvia. A articulação é envolvida por uma membrana, a membrana sinovial, havendo a produção de líquido sinovial, que preenche a articulação internamente, permitindo a realização dos movimentos. Pode ocorrer uma inflamação nesta membrana, causando a chamada sinovite. Esta inflamação pode ser decorrente de uma infecção viral, que se acredita ser a causa da sinovite transitória.
Ela é transitória porque tem uma duração curta, que não costuma passar de uma semana. Acomete mais frequentemente crianças de dois anos a dez anos de idade, sendo mais rara além desta faixa etária. A articulação que é acometida com maior frequência é o quadril e, geralmente, apenas um dos lados. A criança costuma mancar, tem dor para apoiar a perna no chão, muitas vezes se recusa a andar. Quando é examinada, reclama de dor na região da articulação afetada, sendo difícil realizar o movimento.
O grande problema nestes casos é diferenciar a sinovite transitória de uma patologia mais grave, chamada artrite séptica. Nesta última, o problema é devido a uma infecção bacteriana, que acomete a articulação e pode causar sequelas graves no local. Neste caso, a criança costuma ter febre alta e persistente, com estado geral muito comprometido, prostração e dor intensa, que não costuma melhorar com antiinflamatórios comuns, como o ibuprofeno.
Além da avaliação clínica, o médico poderá solicitar um exame de sangue, para que se avaliem os sinais de inflamação e infecção viral, diferenciando-se do quadro de artrite séptica. Exames de imagem como radiografias do quadril também podem ser realizadas. Quando existe uma dúvida muito grande se há uma infecção mais grave, até mesmo uma punção de líquido da articulação pode ser realizada, para que sejam analisadas as células e se descarte a artrite séptica.
O tratamento da sinovite transitória é feito com o uso de anti-inflamatórios, como o Ibuprofeno, por exemplo, que ajuda muito a melhorar os sintomas. A dor costuma ser mais intensa nos primeiros dois a três dias com boa evolução, podendo levar até uma semana para desaparecer completamente. Não há sequelas após a recuperação e a criança volta a andar normalmente.”